FORUM HELVAS

terça-feira, janeiro 31, 2006

PORQUE NÃO HELVAS?

Pego na noticia do sitio da rádio:

PONTO DE PARTIDA

O município de Beja disponibilizou-se para acolher o estágio da Selecção Nacional de futebol antes do Mundial da Alemanha, depois de conhecidos alguns obstáculos que podem inviabilizar uma eventual presença da “equipa das quinas” em Évora. Segundo se pode ler na edição desta terça-feira do diário desportivo “ O Jogo”, a autarquia de Beja enviou ontem um fax à Federação Portuguesa de Futebol, no qual manifesta a sua “disponibilidade”. Para fazer vincar a sua pretensão, a Câmara bejense explica que, ao contrário de Évora, já existe na capital do Baixo Alentejo “um excelente complexo desportivo”. O parque desportivo de Beja, que ostenta o nome do antigo atleta Fernando Mamede, está equipado com um rectângulo de jogo de relvado natural, com as medidas oficiais. O estádio possui também bancadas para 500 pessoas, balneários, uma pista de tartan e um sistema de iluminação que permite a cobertura televisiva dos eventos desportivos. No comunicado ontem remetido à Federação Portuguesa de Futebol, a Câmara de Beja refere ainda que o complexo desportivo da cidade possui igualmente um relvado sintético, homologado pela UEFA, com iluminação e balneários. Outra das valências referida é “um hotel com 60 quartos, ginásio e piscina coberta de 25 metros”. Ainda segundo se pode ler no jornal “O Jogo”, o município de Beja acredita que a cidade reúne “as condições necessárias para acolher a Selecção Nacional”, comprometendo-se a “lutar por este objectivo até que a Federação Portuguesa de Futebol tome uma decisão definitiva”.

COMENTÁRIO INDEPENDENTE DO FORUM

Se Évora se candidatou e parece que desitiu, agora Beja se candidata também, a questão é simples:

-Porque não Helvas?

Temos 2 estádios, com 2 relvados naturais e dois sintéticos, a cidade e a zona é calma, temos poucos mas ainda assim alguns hoteis, porque não?

Era sem dúvida uma promoção excelente para o Turismo cá do burgo. Lembro só o caso de Óbidos quando do Euro que consegui potenciar um novo investimento à data e esteve durante vários dias na TV.

Essa publicidade vale ouro.

segunda-feira, janeiro 30, 2006

ISTO É GERAL.


E o que tem esta nomeação de especial, dirão vocês...!!??

Quase nada...a não ser o facto de a nomeada ser a filha do senhor que assina a nomeação...!!

As Filhas dos políticos estão em grande...

domingo, janeiro 29, 2006

NOTICIA DO JORNAL CORREIO DA MANHÃ

PONTO DE PARTIDA

Simples é uma noticia (de 15 de Janeiro de 2006) que coloco aqui no Forum

http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=188127&idselect=10&idCanal=10&p=94
Reportagem do Jornalista Pedro Galego "A população aplaudiu fortemente os militares durante a paradaA população de Elvas não vê com bons olhos o possível encerramento do Regimento de Infantaria 8. Ontem, dia em que muitos se apresentaram nas comemorações dos 347 anos sobre a Batalha das Linhas de Elvas, a questão levantou vozes discordantes.

“Não concordo de maneira nenhuma. Acho que é demasiado importante para a cidade a sua permanência. A cidade vive também em torno dos militares”, disse Sandra Perico, empresaria e moradora em Elvas.Joaquim Alves, outro elvense, também entende que o exército contribuiu muito para o desenvolvimento da cidade da raia alentejana.“Houve muita gente que veio para a tropa e depois acabou por se fixar e isso contribuiu muito para que a zona crescesse”, sublinhou.O presidente da Câmara Municipal de Elvas, Rondão de Almeida, durante as cerimónias militares, exprimiu o seu descontentamento em relação a uma eventual partida do exército.“Elvas considera-se com toda a propriedade a cidade militar de Portugal.” O autarca adianta ainda que a população tem em grande consideração a instituição e que não a quer ver partir.“Felizmente os militares continuam entre nós. Tenho esperança que assim continue”, garantiu Rondão de Almeida.Por seu lado Velasco Martins, comandante da Região Militar Sul, reconhece a importância da instituição na cidade e afirma estar convicto que as instâncias militares não perderão a sua ligação à região.“Penso que a cidade de Elvas não será esquecida. Se é infantaria, se é artilharia ou uma outra unidade, é um detalhe que terá de se analisar num contexto global”, adiantou o militar.
Pedro Galego, Évora"

COMENTÁRIO INDEPENDENTE DO FORUM

Porque aparece de novo este tema e esta noticia de 15 de Janeiro?

Bom, em primeiro lugar o tema merece continuar na agenda até ao límite das nossas forças. Em segundo lugar porque não foi transcrito nos orgão de comunicação locais.
Nem o site Tudoben que todos os dias copia as páginas do Correio da Manhã seja pelos melhores e piores motivos.

Amigos deste Forum digam-me voces porquê? Aceitam-se comentários, força!

sexta-feira, janeiro 27, 2006

Helvas: perfeitura vai ter reuniões sem público

O tema não é novo, aliás está sempre na ordem do dia.

PONTO DE PARTIDA

Comecemos pela notícia publicada ontem no sitio da rádio:
"Helvas: perfeitura vai ter reuniões sem público
A perfeitura de Helvas vai passar a ter algumas reuniões do seu executivo sem a presença do público e dos repórteres da comunicação social. De acordo com o regimento de funcionamento das reuniões camarários, aprovado ontem, quarta-feira dia 25, apenas a segunda reunião de cada mês permite a presença de elementos do público, já que a primeira das duas reuniões mensais fica restrita a autarcas e técnicos que acompanham estas sessões. Assim, já em Fevereiro, a reunião de dia 8 vai decorrer sem público, enquanto a de dia 22 permite a presença do público, comunicação social incluída. Nas sessões a realizar nas freguesias, todas vão ser abertas à presença de munícipes."

COMENTÁRIO INDEPENDENTE DO FORUM

O que se passava nas reuniões públicas da perfeitura que levem a que não sejam mais públicas? Os sínais sobre a perda de decoro são evidentes e já se vinham mostrando há algum tempo. No último episódio no princípio do ano, a filha do perfeito foi admitida para um cargo importante na perfeitura, sem que o dito tenha explicado se fazia a contratação por que precisava da pessoa ou se estava a ajudar uma pessoa que precisava.
Barulho ainda fez o senhor do contra, mas como logo foi demonstrado também ele tinha algumas coisas contra.
Os próximos tempos permitirão vislumbrar se estamos apenas errados nas desconfianças ou se elas são fundadas.
Com reuniões "a sós":
- pode-se decidir sem ter testemunhas.
- podem falar a seguir seis e apenas desdizer um.
- a tentação ainda é maior para decidir como se distribui o bolo.
- pode-se deliberar o controverso e deixar o consensual para as reuniões com todos.
Sem comunicação social, nem público, o do contra tem menos oportunidades para falar, não que diga muito.
Sem alguém do contra à altura, também quase não era preciso reuniões reuniões "a sós". Embora não fosse o tema deste post, porque não assumiu o senhor da frente na lista do contra? Ao menos tinha ainda alguma credibilidade.
Pode-se estar a caminhar para o abismo?
Em 93 sairam Alfandegas, Guardas Fiscais, Despachantes e sobretudo não vieram mais os "nuestros hermanos" que nos alimentaram os "anos de glória".
Em 2006 saem os militares, os polícias, os médicos e enfermeiros, os guardas prisionais e os funcionários da colónia. É também em 2006 que as vacas magras começam a morrer?
Em 2011, o senso indicará menos 3 a 4 mil dos nossos!
Em 2013, o TGV passará a 300 à hora com a terceira idade a fazer adeus?!


CONCLUSÃO

Como já escrevi, um perfeito com obra, não tinha necessidade disto.
Sairá pela porta pequena porque não sairá a tempo.
Não faz nada que afronte os seus amigos socialistas para que ainda tenha tempo de encaminhar os seus direito ao bolo, ou... às migalhas que ficarem na mesa.
Como talvez não saiba, talvez fosse melhor que alguém tivesse a coragem de lhe contar a fábula do Rei que vai Nú.
O poder corrompe... pelo menos as ideias.
SÃO MUITOS ANOS SENHOR PERFEITO.

FALTA DE LIBERDADE

A internet é hoje o único meio de dizer abertamente o que se pensa?

Quase.

Cuidado, não se pode ter a certeza absoluta que a sua identidade é preservada.
O Big Brother anda aí.

Mesmo assim, arrisco. Arrisque você também. Não se cale.

quarta-feira, janeiro 25, 2006

VE-LOS PASSAR II

Como bloguista gosto de ler o que outros patricios escrevem nos respectivos.
Assim, no http://zedemello.blogspot.com/ leio e copio para comentar, de uma forma mais abrangente aqui no renovado Forum Helvas:




PONTO DE PARTIDA

«Como se quer fazer propaganda de Helvas, se não há uma única indicação do que aqui há para ver, em nenhuma das quatro saídas da auto-estrada? Como se quer que os turistas que nela passam, aos milhares, adivinhem o que aqui há? Se estivesse assinalado, por exemplo, "Fortificações de Helvas, Sec. XVII" não tenho dúvida de que havia mais gente, principalmente estrangeiros, a visitar-nos. Há alguem que está interessado em que os que passam não entrem .Isto é uma realidade. Existe um lobby anti Helvas que faz com que aconteçam coisas destas. E o lobby está perto, não está em Lisboa, é regional. É constituido pelos de Portalegres e pelos de Évoras, que fazem tudo e mais alguma coisa para que Helvas não se desenvolva.»
enviado por Manuel Guerra via correio electrónico. o blog estava ilustrado com uma foto de um mupie de Autoestrada, indicando a saída para Tomar.



COMENTÁRIO INDEPENDENTE DO FORUM
Turismo? Não há grande coisa nessa área na Helvas dos nossos dias.
Tentam sobreviver alguns restaurantes, a nossa Pousada tem uns quartos e comodidades tipo pensão, isto apesar de ter sido inaugurado um novo Hotel (foi preciso esperar 15 anos desde o último?) , e pouco mais.
Também não vamos lá com mupie na Autoestrada ou placares como os que existem desde a Expo98. Alguém pára numa localidade depois de ver um anúncio de estrada, quando acelera a 150 kms à hora (ou mais)? Caro Manuel Guerra receio bem que não!
Explico então por onde deveríamos ter ido há muitos anos e ainda hoje não conseguimos sair da partida.
O tipo de cidade que temos só terá viabilidade turística (ainda assim de curta duração- 1/2 dias no máximo) se Helvas fosse classificada como Património Mundial pela Unesco (isto há 30 anos quando ainda havia poucos locais classificados). Hoje podemos e devemos tentar a escapatória que são algumas coisas únicas, como as Muralhas, o Aqueduto e os Fortes, em especial o da Graça (li um resumo interessante no blog tb de Helvas http://elvasnet.blogspot.com/ de que desconheço o autor).
.
Património Mundial
Com a classificação vem a inclusão em publicações, guias turísticos e dessa forma se poderão esperar viagens organizadas, com paragem no burgo. Com a classificação se pode acordar/negociar um roteiro conjunto com Évoras, Vila Viçosas, Cáceres e Mérida, etc.
.
Eventos
Eventos chave que atraiam turistas da especialidade. Temos alguma coisa como as feiras caninas e felinas (a reboque de Badajoz), de resto são Feiras de 3ª ou 4ª categoria no Centro de Negócios, concertos com tudo o que é músico pimba e por aí fora. O S.Mateus incluiu este ano alguns músicos a sério, mas foi talvez porque estavamos em vésperas de votos. Aqui não vale a pena chorar sobre o leite... está feito, feito está!
Pode olhar-se para o futuro e aí o Pavilhão Multiusos pode ser a rampa de lançamento para a criação de eventos de qualidade, devidamente promovidos pelas Televisões e com impacto nos dois lados da fronteira.
Noutro campo, se se olhar para o que temos, há hoje em Helvas 2 salas de cinema prontinhas a funcionar. Porque não se cria um Festival de Cinema a sério. Com gente a sério, actores de nomeada (por exemplo porque não trazer uma figura de Hollywood para promover o Festival).
Na Catalunia há uma vila chamada Sitjes conhecida pelo seu Festival cinéfilo.
Com tanta oferta pelo País fora e pela vizinha España ou vamos em grande ou então continuamos pequeninos.
Lobbys
Deixo para o fim o tema dos lobbys. Sinceramente um lobby contra nós verdadeiramente não existe.
Conheço razoavelmente quer Évoras quer Portalegres e não acredito que haja. Há sim desprezo por Helvas. Não sai uma noticia em Portalegres que tenha qualquer coisa de bom sobre Helvas, só os relatórios policiais com os assaltos e acidentes rodoviários. Em Évoras, é diferente qualquer terra pequena que tenha ou vá ter qualquer coisa que eles achem que também deveriam ter, então rapidamente começam a tratar do assunto.
Na chamada cidade museu, Helvas já é quase España.
Agora concordo que essas duas cidades têm lobbys a seu favor. Se há um investimento para realizar em Alters, Gavvião, Monfforte ou Helvas, alguém vai tentar reorientá-lo para Portalegres e se alguém de Évoras puder também vai tentar puxá-lo para lá.
Helvas não soube politicamnete em 30 anos colocar pessoas nos devidos lugares. O actual perfeito em 12 anos não tem um aliado digno desse nome no Governo Central, na Comissão de Coordenação, no Governo Cívil. Porquê?
Se não houver figuras que lutem pelo seu quinhão, ninguém vai abrir mão do seu bolo para nós. Isso é evidente.
CONCLUSÃO
Para já porque o tema dava para estar aqui o dia todos agarrado ao teclado, Helvas deve o quanto antes começar a fazer parte dos roteiros internacionais, começando pela Unesco e depois pelas rotas comerciais das agencias de viagem.
Criar eventos que nos coloquem no mapa e promovam o burgo. Utilizar habilidade política para ter o nosso lobby.
O turismo não dá votos porque os turistas são eleitores noutro lado.
Parabens ao Manuel Guerra por colocar a questão e o seu ponto de vista. Agradeços os comentários.

terça-feira, janeiro 24, 2006

VOLTEI

A verdade absoluta não existe. Muito menos em política.
Seguindo as indicações anteriores antes da reformulação, hoje vou escrever sobre o "perfeito".

Chegou a Helvas, onde quase ninguém já o conhecia e ganhou a perfeitura de forma tão clara como provavelmente inesperada.


E porquê?

-Capitalizou todos os descontentes do anterior perfeito, que era boa pessoa, mas na história não deixa rasto;
-Preparou uma campanha abrangente em vários quadrantes do burgo;
-Tem um instinto político felíno e, quer se goste ou não, é o político que marcou Helvas depois da Revolução de Abril;
-Foi afastando sempre os seus opositores ao longo dos anos. Lembram-se da história dos capados...
-A oposição nunca foi capaz de produzir uma figura carismática que pelo menos fosse capaz de discutir nas urnas;
-Leva mais de uma duzia de anos à frente dos destinos da perfeitura, sempre com grandes resultados. 4-3, 5-2, 6-1, e 6-1;
-Fez obras de interesse para o Concelho;
-Criou uma equipa, onde sem ter ninguém que lhe fizesse sombra, junto técnicos que conseguiram fundos, organizção e conclusão de obras.


Obras

Há várias que merecem destaque, outras nem por isso, mas por exemplo podemos recordar:
-Talvez a mais importante e que muitas vezes se esquece. A recuperação financeira da perfeitura, chegando ao ponto de ter mais de 1 milhão de contos aplicados no Banco;
-Recuperação dos pavimentos das principais artérias do centro do burgo;
-Recuperação das estradas da perfeitura;
-Pavilhão transfronteiriço;
-Estádio de Atlétismo;
-Relvados sintéticos no antigo campo de futebol;
-Recuperação do edifício da perfeitura;
-Parque de estacionamento da Praça do Burgo;
-Recuperação do Convento de S Francisco (cemitério);
-Pavilhões multi-usos nas freguesias;
-Arruamentos nas freguesias;
-101 fogos da Boa-fé;
-Central de camionagem;
-Recuperação do Forte de S Luzia;
-Piscinas da perfeitura;
-Lares de idosos nas freguesias;
-Jardins e zonas verdes, com instalações lúdicas para crianças;

Tem ainda em curso a criação do museu de arte contemporânea, biblioteca e museu da perfeitura e a menina dos seus olhos que será o Pavilhão Multiusos da Praça de touros.






Nos mais de 12 anos à frente da perfeitura há que recordar alguns dos exemplos positivos, até porque os helvenses não são burros e escolheram sempre mal, mas também tem que haver direito há crítica. Neste campo infelizmente não muita margem de manobra, porque quem ousa criticar é sempre conotado com a oposição.
Ninguém é perfeito e há muitas coisas que não são bem feitas. Não há oposição em Helvas à altura e modéstia à parte, nem para escrever um blog como este têm capacidade.

domingo, janeiro 22, 2006

A actualidade política helvense

Nos tempos do castro galo-celta, aproveitado pelos romanos que o urbanizaram a partir do século II a.C., tendo em vista aí se encontrarem algumas das estradas que cortavam o sul da península Ibérica.A povoação era então conhecida pelo nome de Helvas.A actualidade política helvense obriga-nos a rever o formato deste blog para a poder discutir a partir de hoje, ainda assim com algumas papas na lingua.Por estes motivos de "saúde" este blog entra em manutenção!Prometemos ser breves. Por isso participe e deixe os seus comentários...sempre!